quinta-feira, 29 de outubro de 2009

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Atlas Sound - Logos

"People look at what’s successful, and what’s successful is what’s easy on the ears, things that aren’t challenging,”, Bradford James Cox (Atlas Sound, Deerhunter)


quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A Sunny Day in Glasgow - Ashes Grammar (2009)

Existe uma possibilidade de ser shoegazer sem ficar preso ao passado dos 80 e 90, o A Sunny Day in Glasgow já descobriu a fórmula. "Ashes grammar" continua no mesmo pique de "Scribble mural...", talvez com mais batidas, um pouco mais comercial, sim, mas ainda nos deixa lembrar de como é bom olhar para os próprios pés.

Ashes Grammar

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Anthology of Dutch Tape Music Vol. 1(1955-1966) (1979)

Bom, acho que o nome já diz tudo né. Música concreta até dizer chega :)

Parte 1
Parte 2

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Mochipet - Bunnies and muffins (2009)

De http://www.mochipet.com/blog/

Mochipet Bio:

Born in Taiwan R.O.C. to rocket scientist father and kindergarten teacher mother, David Wang (a.k.a. Mochipet) has been tinkering with electronics all of his life. However, it was not until he added music to the equation that something began to spark. Growing up on metal guitar, Avant-Garde Jazz, and mainstream hip-hop, David has always been a person of diversity. And we can see this in his music, ever changing, and always evolving.

Through out his life, David has worked as a Jazz Radio DJ, Web Designer, and Tub Boat Dispatcher. This might explain his vast musical collaborations with artists such as Legendary Skateboarder Ray Barbee (Powell Peralta), Techo producer Ellen Allien (Berlin), Hip-hop MCs Mikah9 (Freestyle Fellowship), Casual (Hieroglyphics Oakland), and Raashan Ahmad (Crown City Rockers), Electro Miami Gangster Otto Von Schirach (Ipecac), Booty Bass Rockstars 215 The Freshest Kids and Spank Rock (BigDada) Mashup Glitch Tweeker Kid606 (Tigerbeat6), Edwardian suit-wearing Daedelus (Ninjatune), Glitch Popstars Jahcoozi (Kitty-Yo), and Avant-Garde Jazz Legend Weasel Walter (Flying Luttenbachers).

Mochipet’s music has been released on record labels around the world such as Bpitchcontrol (Berlin), Tigerbeat6 (Oakland), Peace-off (France), SCION, and Creaked (Switzerland) and has toured throughout America and Europe in a wide variety of underground and main stage venues: Paradiso (Amsterdam), Point Ephemere (Fr), Treasure Island Festival (SF), WMC (Miami), Bangface (UK), Dissonant Festival (Belgium), Electron Festival (Switzerland), Independent (US), Mission Creek Music Festival (SF), Burning Man (BRC), WMF (Berlin), Mighty (US), Golden Pudel Klub (Hamburg), Low End Theory (Los Angeles), Gilman (Berkley), The Smell (Los Angeles), Equalizer Festival (Rotterdam), The Echo (Los Angeles), Club6 (San Francisco), Café Du Nord (SF), Rickshaw Stop (San Francisco) 1015 Folsom (SF), Hemlock (SF), Drum Machine Museum, and San Jose Museum of Art.

He has shared the stage with artists such as: Autechre, DJ Qbert, Kid Koala, Luke Vibert, DnTEL, Modeselektor, Dat Politics, M.I.A, Flying Lotus, Chris Clark, Boom Bip, Jahcoozi, , Meat Beat Manifesto, Devlin & Darko (Spank Rock), Gift of Gab, Lafeef, Otto Von Schirach, Matmos, Cargo Natty, Cristian Vogal, Fluokids, Juan Maclean, edIT (Glitchmob), Megasoid, Tittsworth, Kid606, Ellen Allien, Andrea Parker, Aaron Spectre, Felix Da Housecat, Carl Craig, Bucovina Club, Superpitcher, The Bug, The DeathSet, Fabio & MC Rage, Forest Green, Daedelus, Bogdan Racynski, DJ Plasticman, Mikah 9, Abstract Rude, Tussle, Dino Felipe, Jimmy Edgar, Lazersword, Mia Doi Todd, Ken Ishii, Jason Forest, MachineDrum, Doormouse, Babyland, Chow Nasty, Mike Boo, Greg Davis, Drop the Lime, Lusine, and Phon.o, just to name more then a few.

David’s music has caught the ears of the Sports and Skateboarding world as well. His song Sharp Drest (With Eric Solo and oonceoonce) is featured in the NBA2k9 Videogame along side acts such as Beastie Boys, N.E.R.D., and The Cool Kids. You may have also heard his music on FuelTV and Directv with skate legends such as: Tony Hawk, Lance Mountain, Christian Hasoi, Ray Barbee, Laban Pheidias, Jason “Weeman” Acuna, and Anthony Van Engelen.

David has also held residencies at [Eraser] Club (Los Angeles) and Trouble Club (San Francisco) along side residents: edIT, [a]pendics shuffle, John Tejada, Kid606, Josh Kit Clayton, Matt Laszuk, Philip Sherburne, and Sutekh. He is currently staring up a new monthly in San Francisco called Bass Camp with EC and ArtNowSF that will feature acts from around the world.

And if all this is not enough he was nominated as one of the Best Electronic Act of 2008 by many publications, such as Clash Magazine (UK) and SFBG. His composition “Dessert Search for Techno Baklava” has been performed by a 20 piece orchestra, Alarm Will Sound, around the world, notably at New York’s Carnegie Hall, and Amsterdam’s Holland Festival!

David runs an independent record label called Daly City Records and endorses products such as M-Audio and Puma. He is currently working on several new projects including ones with Joyo Velarde, Lyrics Born, Antipop Consortium’s M. Sayyid, and Chicago’s MC Zulu. Keep an eye out 2 new records from him in 2009: “Master P on Atari” and “Bunnies & Muffins,” both coming out on Daly City Records this year!


sexta-feira, 24 de julho de 2009

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Rainbow Arabia - "Kabukimono" (EP, 2009)

"Congotronics", dance, dance,dance total.

Do myspace (http://www.myspace.com/rainbowarabia)

"Adventuring on a similar dark star safari, Rainbow Arabia wearing their kaleidoscopic militia uniforms, and armed with unforgiving jet-black machine guns adorned with rainbows of ribbons, stampede into town on crystal war elephants, painted red with Nubian scrawl and decorated in chains of silver plated animal skulls, firing bullets into the sky to announce their arrival, creating the kind of noise you could imagine the DFA might make had they ever decided to throw a party in the underground ruins of Egypt, the ghosts of the Pyramids shaken into action by the sinuous rhythms and earth quaking basslines."

1. Holiday In Congo
2. Haunted Hall
3. Kabukimono
4. Harlem Sunrise
5. I Know I See I Love I Go
6. Omar K (Ghosts On Tape remix)
7. Let Them Dance (Brenmar remix)


Marc with a C - "Losing salt" (2009)

Folk, lo-fi, música para pensar que a vida é bem mais simples que parece.

Do site (marcwithac.com)
"I’m Marc With a C. I make lo-fi pop records coated in hiss and harmony while I push the tonality of instruments past how the recording equipment was designed to receive them. Even though the equipment used to make Marc With a C records has seen a pretty big upgrade in the last little while, I’m still about five to ten years behind the times. I don’t expect that to ever change. I can’t help but to look at new gadgets with a wrinkled up nose."

"Losing Salt"

terça-feira, 16 de junho de 2009

I love XV, and you?

Ae cambada, domingão hein...

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Bandeide 13/06

Show do Dziga e Bandeide

Sábado é dia de maratona. Primeiro, o Dziga vai ser apresentar no Mal do Século e depois partimos para Bandeide, onde vai rolar um DJ set.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Circulatory System - "Signal morning" (2009)

Só preciso dizer que é lindo.


terça-feira, 19 de maio de 2009

Vários - "Dark night of the soul" (2009)

Projeto de Danger Mouse e Sparklehorse, com participações de gente como Wayne Coyne e Gruff Rhys.
Ah sim, outro detalhe, David Lynch fez fotos para ilustrar as canções do disco.

1. "Revenge" (featuring The Flaming Lips) – 4:52
2. "Just War" (featuring Gruff Rhys) – 3:44
3. "Jaykub" (featuring Jason Lytle) – 3:52
4. "Little Girl" (featuring Julian Casablancas) – 4:33
5. "Angel's Harp" (featuring Black Francis) – 2:57
6. "Pain" (featuring Iggy Pop) – 2:49
7. "Star Eyes (I Can't Catch It)" (featuring David Lynch) – 3:10
8. "Everytime I'm With You" (featuring Jason Lytle) – 3:09
9. "Insane Lullaby" (featuring James Mercer) – 3:12
10. "Daddy's Gone" (featuring Mark Linkous and Nina Persson) – 3:09
11. "The Man Who Played God" (featuring Suzanne Vega) – 3:09
12. "Grim Augury" (featuring Vic Chesnutt) – 2:32
13. "Dark Night of the Soul" (featuring David Lynch) – 4:38


sexta-feira, 15 de maio de 2009

Bandeide, Cine Lapa (16/05)

Sim, lá vai dona Louise colocar uns disquinhos em mais uma festa. Dessa vez com os superlegais Tiago e Danilo (que, afinal, é o rei do rock).

Serviço: Festa Bandeide, Cine Lapa (16/05)

Shows: Fuzzcas , Os Azuis e Sofia Pop.

Line up:
Tiago Snake
Marcelo Riot

Lista amiga ou flyer: R$ 10,00 (festabandeide@gmail.com)
Sem flyer ou lista: R$15,00

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Delia Derbyshire - Electrosonic (1972)

Hoje foi dia de descanso por aqui, geralmente são dias para lembrar de quem sou. Delia Derbyshire, que "só" compôs a trilha de Dr. Who (nada demais né...), marca presença sempre nessas ocasiões. 2001 realmente foi um ano em que o mundo daqui ficou mais triste. Para mais: http://www.delia-derbyshire.org/

Electrosonic (1972)

quarta-feira, 13 de maio de 2009

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Não podia ser diferente, não para hoje.


quinta-feira, 7 de maio de 2009

Damo Suzuki no Rio

A galera mais que amada e mais que legal do Plano B e do Outro Rio trazem Damo Suzuki para algumas apresentações e um workshop no mês de maio. As datas são:

25 de maio - Oi Casa Grande


Rua Afrânio de Melo Franco 290, Leblon


26 de maio - Rio Rock & Blues Club

Rua do Riachuelo, 20 – Lapa

60,00 / 30,00

28 de maio - Teatro Ipanema

Rua Prudente de Morais, 824 - Ipanema

70,00 / 35,00

Para mais:


quarta-feira, 29 de abril de 2009

Se eu fosse vocês, iria.

Ok, já falei deles por aqui. Dispensam apresentações. Vai ser muito bonito, sem dúvida.

Pavement - Wowee Zowee (Sordid Sentinels Edition) (2006)

Da Wikipédia, sem tradução, porque a correria aqui está grande.

"Wowee Zowee: Sordid Sentinels Edition is a two CD compilation album by Pavement released on November 7, 2006. It contains the band's third album, Wowee Zowee (1995) in its entirety, as well as 32 of the band's other songs from that era, 18 of which were previously unreleased."

Disco 1

Disco 2

sábado, 11 de abril de 2009

Class of `93

Dezesseis anos, sim, aproximadamente 5.840 dias separam-nos de um dos melhores anos para a música – dita (eu detesto essa palavra) – alternativa. Acordei hoje com o Spinanes, não mais rodando no meu CD player como era lá naquele início de adolescência, mas tocando no player do PC.

Confesso que me bateu uma nostalgia, queria voltar àquelas idas na Spider, locadora e loja espertíssima com os últimos lançamentos de selos como Sub Pop e Creation, comentar com os amigos o CD do mês e ouvir cada faixa cuidadosamente, lembrar de todas elas mesmo nos momentos de silêncio.

Hoje já não lembro mais o que ouvi, o que deixei de ouvir, se conheço ou não. A impressão de cada vez absorver menos informação e de apreciar com menos emoção a arte hoje é uma inconveniente constante nestes dias.

Daí parte o gancho para a pergunta-chave de toda essa questão saudosista: o rock era melhor há 16 anos atrás ou seria uma questão de assimilação e afetividade?

Alguns discos lançados em 1993, para ajudar na confusão:

Mercury Rev – Boces
Flaming Lips – Transmissions from the satellite heart
Spinanes – Manos
Superchunk – Foolish
PJ Harvey – Rid of me

quarta-feira, 8 de abril de 2009

terça-feira, 31 de março de 2009

A Silver Mt. Zion - "Horses in the sky" (2005)

From Wikipedia


Thee Silver Mt. Zion Memorial Orchestra & Tra-La-La Band (also known as A Silver Mt. Zion, The Silver Mt. Zion Memorial Orchestra & Tra-La-La Band, A Silver Mt. Zion Memorial Orchestra and Tra-La-La Band with Choir and Thee Silver Mountain Reveries) are a Canadian band that formed in 1999, originating from Montreal, Quebec, Canada. They use a number of different variations of the name on different releases, but their name is most often simplified to Silver Mt Zion (as the band are hereafter referred to in this article). Since 2005, the band comprises seven members, of which three are also involved with Godspeed You! Black Emperor. Since inception, the group has undergone numerous personnel changes.

The band have released five studio albums and one EP, publishing them through the influential record label Constellation. Their debut album He Has Left Us Alone but Shafts of Light Sometimes Grace the Corner of Our Rooms… was released in 1999 and—with the exception of two tracks—is a purely instrumental record. As other records were created, their sound and membership progressively changed from a sequestered trio to a boisterous septet. By the release of Horses in the Sky, the group became overwhelmingly vocal in its style, sometimes having all seven members sing on tracks.[1]

Their most recent album, 13 Blues for Thirteen Moons, was released in March 2008. It consists of four songs, all previously debuted at live performances. Several members of the band are also working on a live album tentatively titled Fuck You Drakulas. A mid-summer 2007 release was planned but did not materialize as the band are still working on it "when time permits."[2]

Silver Mt. Zion's music has been described as "post-rock", though the band members are hesitant to use the term. Singer and guitarist Efrim Menuck identifies with punk rock ethos and aesthetic.[3] In Issue 170 of Terrorizer, Menuck stated "The Wikipedia Mt. Zion page is so full of wrong stuff... I spend five minutes [correcting it] and then I'm like, y'know, my eyes hurt and I'd rather be reading a book"."

A Silver Mt. Zion - "Born into trouble as the sparks fly upward" (2001)

Born into trouble

quarta-feira, 25 de março de 2009

Sertão Agrário no Plano B

Essa sexta tem show imperdível lá no queridíssimo Plano B. Os rapazes do Sertão Agrário, post-rock carioca mais que decente!

"O sertão agrário, hoje como um sexteto, consegue - ou pelo menos tenta - misturar as influências de jazz, de música brasileira como a de Hermeto Pascoal e do Quinteto Armorial, junto a de grandes nomes contemporâneos internacionais que eles apreciam, vide Jagga Jazzist, Do Make Say Think, Tortoise, Joan Of Arc, Sigur Rós, Radiohead etc...tudo isso se dá com as interessantes mundanças de dinâmica do grupo mudando de instrumentos algumas vezes durante as músicas, tendo disponível um léque interessante de timbres e instrumentos, inclusive acusticos e menos convencionais no meio, como a rabéca, flauta doce, escaletas, além de amplo set de percussões."


Arborea - "House of sticks" (2009)

House of sticks

quarta-feira, 4 de março de 2009

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

sábado, 7 de fevereiro de 2009

VA - New Deutsch (2003)

Compilação feita por Thomas Bär e DJ Hell.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

New York Noise (2003 e 2006)


Punk funk, post-punk, no wave, tudo isso aparece nos três volumes da coletânea New York Noise, brilhantemente editada pela Soul Jazz Records.


Bom, como ando revisitando um antigo trabalho de conclusão de graduação sobre pós-punk, não custa nada colocar aqui o texto referente à No Wave. De lá para cá minha percepção sobre algumas coisas mudou, mas, de qualquer forma o texto é valido:

"Era um movimento com proposta de desconstrução do rock, que se declarava sem influências anteriores. A falta do uso de instrumentos de cordas e solos e a predileção por instrumentos não convencionais como garrafas, facas ou qualquer outro objeto que emitisse algum som eram constantes.

Apesar da proclamação de falta de influências e de extrema autenticidade, devemos lembrar que artistas como o Velvet Underground já vinham fazendo este tipo de experiência na década de 60.
Além disso, a música negra também era fonte de inspiração para algumas bandas, especialmente para James Chance and the Contortions – uma das principais do movimento – que tinha seu som baseado no jazz. Desnecessário dizer que houve rejeição dos punks mais radicais de Nova Iorque a essas bandas.

Outro aspecto que ajudou bastante nesse processo “antimúsica” da No Wave foi o fato de grande parte das pessoas envolvidas virem de escolas de arte e, por causa da época e do local, tinham preferência por arte conceitual (moda no final da década de 70, principalmente em Nova Iorque).

A boêmia e a aceitação de novas formas de arte que a cidade proporcionava fizeram com que esse cenário artístico encontrasse um lugar ideal para seu desenvolvimento. Isso sem contar o fato de haver uma área que oferecia moradia barata, o Lower East Side, e que era também um pólo de vida noturna fora dos padrões convencionais.

A área do Lower East Side era um local abandonado, mal visto, onde pontos de venda de drogas e a criminalidade se multiplicavam. Isso tinha reflexo no trabalho das bandas. Apesar de não terem temas políticos da maneira convencional, a preocupação em agredir, em chocar tem origem não só na proposta inicial do movimento, mas também pela necessidade de chamar atenção para aquela área da cidade onde o visual era praticamente o de um local arrasado por uma guerra.

As bandas desse sub-estilo do pós-punk nunca fizeram grande uso das possibilidades de aquisição de novos sons em estúdio. O som era mais adequado para ser ouvido ao vivo em pequenos clubes.

Os shows eram performances únicas, cheias de energia e um pouco de polêmica também. As bandas usavam uma aproximação mais parecida com a de espetáculos de arte concreta, ou teatro. O uso de agressões e outras táticas do gênero para causar uma reação/interação do público era constante.

Isso também fazia parte de uma vontade de atrair atenção da mídia e também de quebrar uma “regra” do rock, dizimando o distanciamento entre palco e público e tornar os espectadores parte do show.

Apesar disso ser uma constante, artistas como Lydia Lunch já preferiam apresentações mais “frias” pois acreditava que desse jeito o estranhamento causado – o que não deixa de ser uma participação do público – era maior.

Apesar de serem originários de escolas de arte, conforme citado anteriormente, os artistas da No Wave rejeitavam o rótulo de “artistas” pois isso trazia o conceito de arte elitista, feita para galerias.

Por ironia, foi exatamente em uma galeria de arte que o houve um festival de cinco dias só com artistas do movimento como Teenage Jesus, DNA e James Chance and the Contortions.
Na platéia estava Brian Eno, que propôs a elaboração de uma coletânea de bandas daquele local.

“No New York” de 1978 talvez seja o registro mais completo da época. A objetivo era exatamente esse: coletar o som dessas bandas antes que o movimento perdesse força.
Com o fechamento de alguns espaços, o crescimento do CBGB, que havia se tornado um espaço para grandes bandas em detrimento daqueles que trilhavam caminhos mais experimentais e a preferência do público ter se voltado para manifestações mais festivas e menos sérias (como eram as apresentações das bandas citadas neste capítulo) fizeram com que por volta do final de 78 o movimento se diluísse"

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Get physical fúnebre

O selo de electro/techno Get Physical, conhecido por seus lançamentos de levantar qualquer difunto nas pistas, lançou uma coletânea com o tema de um assunto recorrente na maioria das rodas de conversa de boteco: qual seria a música do seu funeral?

Para mais:


segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Acabo de ver meus planos de bloco de rua/intervenção urbana irem por água abaixo


É simplesmente surreal a falta de foco no que REALMENTE importa da polícia militar do Rio.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

E a Merge Records completa 20 anos em 2009, para comemorar eles preparam uma caixa com 14 cds, livreto e mais, com o melhor da gravadora durante esses tempos.


quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Arborea - Arborea (2008)

Formado em 2006 por Shanti Curran e Buck Curran, Arborea consegue ser folk e etéreo ao mesmo tempo.

Devo agradacer especialmente ao No hits, por me ter feito descobrir o melhor disco do ano que acabou de passar.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Fleet Foxes - Fleet Foxes (2008)

Fleet Foxes
Aee, ano novo finalmente! 2008 foi embora e que venha 2009!
Já para programar os ouvidos para os próximos meses do novo ano, o Pitchfork preparou uma listinha muito esperta!